O dia em que Brian May solou na minha frente

Data: 16/04/2018

Por Carlos Augusto Monteiro.

E lá vou eu chatear vocês mais uma vez escrevendo sobre os shows a que tive o privillégio de assistir nas décadas de 90 e 2000. Essa foi uma série que lancei há uns meses, contando sobre o show do Skid Row e Extreme no Hollywood Rock em 1992. Pois bem, dessa vez vou jogar na cara de vocês que eu assisti ao guitarrista do Queen, Brian May, no mesmo ano, com uma banda solo que ele montou para divulgar o álbum "Back to the Light". Foi uma verdadeira "volta à luz" de May, após a morte do amigo e companheiro insubstituível de banda, Freddie Mercury, um ano antes.

Engraçado que essa paulada de show aconteceu apenas dois meses depois do Hollywood Rock, e em uma casa histórica aqui no Rio: o Imperator, na zona norte. Pois esse "garoto zona sul" que vos escreve pegou um ônibus da linha 455 (Méier) e se mandou com dois amigos para o outro lado da cidade, cheio de expectativa.

Em um site de fãs de Queen, eu li que a turnê sulamericana de Brian May em 1992 foi considerada como um "ensaio" para a turnê norte-americana. Pode até ter sido, mas isso é diminuir muito a importância destas apresentações para nós. Foi um sonho realizado.

Imaginem ver este mito do rock em uma casa de shows não muito grande, o que nos permitiu ficar bem na frente, e acompanhando de uma banda que tinha "apenas" Neil Murray (ex-Whitesnake e Black Sabbath) no baixo, e o porradeiro Cozy Powell (bateria), que também passou por estas duas bandas e outras clássicas, como o Rainbow. Infelizmente, Powell nos deixou em 1998.

O álbum que motivou a turnê foi o segundo da carreira de Brian May. As letras de "Back to the Light" falam de esperança e de reencontrar o sentido de viver, entre outros temas. Sabemos que a morte de Freddie foi um baque duro para nosso querido guitarrista de cabelos de Miojo. Mas o patrimônio do Queen e o talento de May falaram mais alto e ele seguiu em frente.

Uma curiosidade é que "Headlong" e "I Can't Live with You" eram para ser músicas deste álbum, mas acabaram entrando em "Innuendo" (tema de um podcast do CMM), graças à incrível execução de Freddie Mercury, motivo suficiente para convencer May a deixar as canções com o Queen.

Agora, sente só o setlist do show do Rio:

Set list – Rio de Janeiro (11/03/1992)

The Dark (introdução)
Back to the Light
Driven By You
Tie Your Mother Down (Queen song)
Love Token
Love of My Life (Queen song)
'39 (Queen song) (intro)
Let Your Heart Rule Your Head
Too Much Love Will Kill You
Now I'm Here (Queen song)
Hammer to Fall (Queen song)

E sente também que legal esse clipe de "Back to the light", um verdadeiro making of da passagem pela banda no Rio (aparece também o show de São Paulo):

E toma mais essa execução de "Tie your mother down", ao vivo na Brixton Academy (vídeo de show dessa turnê).

Para completar as incríveis lembranças deste show, lembro que, antes dele começar, no alto falante tocaram várias canções de rock, e me marcou que ouvi "Dreams", do Van Halen. Aquele momento era mesmo a coroação de um sonho!

A banda completa era composta por:

    Brian May – lead vocals, lead guitar
    Cozy Powell – drums, percussion
    Neil Murray – bass guitar
    Spike Edney – keyboards, backing vocals
    Jamie Moses – rhythm guitar, backing vocals
    Cathy Porter – backing vocals
    Shelley Preston – backing vocals, tambourine

E ao fim desse espetáculo, mais uma surpresa: um dos meus amigos estendeu as mãos para o alto na hora em que Brian May arremessou suas "palhetas". Na verdade, May usa moedas inglesas para tocar guitarra. Como é alto para caramba, esse meu amigo simplesmente conseguiu agarrar uma moedinha em cada mão! E me deu uma delas, que guardo até hoje!

Aí foi moleza atravessar a cidade de novo para voltar para casa. Tudo bem que não tinha mais ônibus direto àquela hora, mas nada que uma baldeação no bairro da Tijuca não resolvesse.

E assim terminou mais um dia incrível de rock n´roll na minha vida. Obrigado por me permitirem lembrar dessa época!

Comente:

SIGA




PARCEIROS