Back in Black

Olá caros leitores, é no clima empolgante do AC/DC que venho fazer este post. No dia 25 de julho, o álbum “Back In Black” da banda australiana AC/DC, estará fazendo aniversario de 30 anos. Frente a isso, senti-me na obrigação de fazer um post em tributo a esta obra prima do Rock’n Roll. Let’s go:

"Back In Black” foi lançado em 1980, e até hoje já vendeu 49 milhões de cópias, sendo o 2º álbum mais vendido da história, ficando atrás, somente do “Thriller” do Michael Jackson. Até hoje é considerado um dos álbuns mais importantes do Rock’n Roll, sendo influencia para músicos do mundo todo. Na humilde opinião do escritor do blog, o melhor álbum de rock de todos os tempos!

Angus Young (guitarra solo):Fizemos um álbum, não fizemos singles, não fizemos 10 singles, fizemos um bom álbum.”

Malcolm Young (guitarra base): “Queríamos arrepiar todo mundo.”

Robert John (Mutt) Lange (produtor): “Começaram a levar o Rock’n Roll para outro nível melódico".”

Cliff Williams (baixista): “Trabalhávamos o tempo todo naquela época. Se não estávamos em turnê, então estávamos no estúdio.

O AC/DC estava no auge, com o álbum “Highway To Hell”, quando foi surpreendido pela morte do vocalista Bon Scott (afogado no próprio vomito, após bebedeira). A banda ficou chocada, e sem saber seus destinos dali para frente.

(Bon Scott):

                                    bon

Phil Rudd (baterista): “As coisas estavam indo muito bem, foi um tremendo choque, esperávamos que ele retornasse perfeitamente no outro dia.”

Mutt: “Malcolm foi até a sala de controle do estúdio e disse: “Vocês não vão acreditar, Bon morreu na noite passada.”

Angus: “A única coisa que nos fez continuar foi “Mal”(Malcolm). Ficar juntos e escrever. É o que fizemos e apenas continuamos. ”

Malcolm: “Eu e Angus estávamos juntos, e eu disse: “Vamos ensaiar como fazíamos, ainda não estamos acabados”. Podemos tocar guitarra, e fazendo isso nos tira da realidade. E fizemos isso por um bom tempo.”

Como o AC/DC não podia parar, começaram a busca por um novo vocalista. Após um fã mandar uma carta dizendo para a banda ouvir um tal de Brian Johnson, Brian fez um teste, foi aceito, e assumiu o antigo cargo de Bon Scott.

Brian Johnson (vocalista): “Recebi a primeira chamada telefônica: “Quantos anos você tem?”. Eu disse: “Por que você quer saber?”. Ela: “Tenho que saber sua idade, se você é muito velho, não pode…” Eu: “Pra que?”. Ela disse: “Para uma audição com uma banda.”. Eu: “Qual é a banda?”. Ela: “AC e TC”. Eu disse: “Você não quis dizer AC/DC?”. Ela disse: “Shazam!”.”

(Brian Johnson com Angus):

       Brian and Angus

 

Phil Rudd: “Tínhamos um sentimento positivo. Obviamente Brian tinha uma personalidade muito forte. Ele tinha uma voz única, provou que pode cantar e tem coalhões.”

Após alguns ensaios com o novo vocalista, AC/DC partiu para a composição do próximo álbum, o “Back In Black”.

Comentários dos músicos e do produtor sobre as principais musicas do “Back In Black”:

#Nota do escritor: seria muito interessante ler os comentários, ouvindo as musicas em questão.

Hells Bells:

Brian Johnson: “Acho que a vontade de Mal e Angus era fazer algo simbólico. Sabe? Pra quem o sino era tocado, ou algo assim, entende?”

Malcolm Young: “Lembro de ter ficado uma semana fora da gravação, porque os equipamentos ainda estavam chegando. Estávamos conversando sobre a intro de “Hells Bells”, era uma intro muito boa. Ela cria algo antes de tudo. E Angus criou o titulo “Hells Bells”. Eu estava mijando e então pensei: “Vamos arrumar um grande sino do caralho!”.

Angus Young: “Hells Bells é a primeira do álbum, porque tem um sino grande nela. Depois de um tempo percebemos que realmente as pessoas iam: “Ei tem um toque bacana!””.

(Malcolm Young):

                                   malcolm_young_07

 

Rock’n Roll Ain’t Noise Polution:

Malcolm Young: “Estávamos em Londres na época, e tinha aquela coisa sobre poluição sonora nos clubes em Londres, e todas as outras coisas. Queriam medidores de decibel aqui e ali. Na realidade queriam proibir tudo. Tínhamos 9 musicas e precisávamos de outra musica, para encaixarmos no final. Eu disse aos rapazes: “Por que não vão ao bar? Fiquem algumas horas por lá. Deixem eu e Angus com isso.”  Ficamos sentados ali, e Angus criou o titulo. Fizemos ela lenta para os rapazes sentirem. E no refrão Angus fez os acordes sozinho. Fizemos as coisas em 20 minutos e mostramos aos rapazes.  ”

Brian Johnson: “Começou a musica e eu perguntei: “O que eu faço?”. E Mutt disse: “ Ahh… apenas diga alguma coisa!”. Eu disse: “O que?”. Então Mal e Angus falaram: “Apenas arrebente Brian!". Basicamente o que fiz foi algo de instante. O que fiz foi: “Hey there all you middle men… ( Ei aí todos vocês negociadores…) Throw away your fancy clothe… (Joguem fora suas roupas extravagantes…) And why you out there sittin’ on a fence? ( E por que vocês ficam em cima do muro?)”. Eu estava tentando fazer isso soar musical ou algo do tipo. Mutt disse: “Excelente, vamos manter isso”.”

(Cliff Williams):

                                cliff

You Shook Me All Night Long:

Angus Young: “A introdução de abertura é um pequeno jingle de guitarra, e o riff do refrão foram feitos com outros dois riffs.”

Brian Johnson: “Lembro-me de um fã dizendo “Shook me all night long”. Escrevi algumas coisas pra poder então cantar. Os rapazes entraram e eu estava cantando: “She was a fast machine she kept her motor clean… (Ela era uma maquina veloz, mantinha seu motor limpo…) She was the best damn woman that I ever seen… (Foi a melhor mulher que eu já conheci…)”. Mutt veio até mim e disse: “Sabe Brian, tem muitas frases aí. Acho que deveria soar assim:” (musica é cantada mais pausadamente) Cantei assim e quando terminei Mal parou e soltou: ”Que porra é essa?! Não, não, não mude, está ótima, a musica toda.”.”

(Phil Rudd):

                        phill3

Back In Black:

Brian Johnson: Me lembro que “Back In Black” foi particularmente difícil, porque os rapazes disseram: “Escute Brian, sabe, queremos que essa musica seja em memória de Bon, mas não queremos que seja triste ou fúnebre, queremos que represente algo bom, uma musica positiva.”. Foi muito difícil, mas acho que consegui fazer bem. É meio lenta, mas tem um riff fantástico. Os rapazes queriam um bom álbum de rock, em memoria de Bon, mas sem vitimísmo, sem coisas emocionais e toda essa porcaria que normalmente vem com isso. Queriam que o álbum fosse preto, senti em linhas como: “nine lives, cat’s eyes… (Nove vidas, olhos de gato…)”. Acho que foi porque Bon aproveitou bem seus dias. ”

Angus Young: “Quando Mal me mostrou a idéia deste riff a primeira vez eu disse: “Bacana e único. Yeah, tem balanço, se encaixa, é diferente. Bem, se você não gostar eu posso pega-lo para mim, e digo que eu escrevi isso!”. Bon era inocente. A musica que queríamos fazer era mesmo “Back In Black”. Ele sempre estava feliz em todos os lugares.”

(AC/DC atualmente):

            ac-dc

Shoot To Thrill:

Brian Johnson: “Basicamente não era sobre a “cultura de drogas”, estávamos pensando era… Na Inglaterra, naquela época, haviam muitos viciados em Valium. Porque o sistema nacional de saúde não valorizava as mulheres que estavam doentes e depressivas e essas coisas. Então o mais fácil era manda-las a um consultório e: “Tome aqui Valium…”. Essas pessoas, mulheres, dependiam disso. “Too many women with too many pills… (Muitas mulheres, muitas pílulas…)”.”

Todas as canções foram compostas por Malcolm, Angus e Brian. O álbum é formado pelas faixas:

Hells Bells – Shoot To Thrill – What Do You Do for Money Honey – Givin’ the Dog a Bone – Let Me Put My Love into You – Back in Black – You Shook Me All Night Long – Have a Drink on Me – Shake a Leg – Rock And Roll Ain’t Noise Pollution.

Após conhecer a história de um dos álbuns mais importantes do Rock’n Roll, o mínimo que você tem a fazer é aprecia-lo…

Let’s play HARD ROCK!