Hoje estou aqui para falar de um assunto que envolve musica em si, e não somente o rock. Claro que me voltarei para o rock, pois é o maior prejudicado e é o assunto deste blog, mas enfim, vamos lá…

Quero deixar claro desde o principio, que os principais objetivos do rock e de sua ideologia sempre foram desafiar a sociedade, questionar e quebrar regras, e fazer protestos em geral. Portanto: SIM! Muitas letras de rock falam sobre assuntos não agradáveis para a sociedade, como: satanismo, sexo, violência, desordem e etc…
Porém, o objetivo nunca foi fazer apologia a estas causas, e sim incomodar e desafiar o “homem”, como diria Jack Black em “Escola de Rock”.

Diante deste assunto, vou contar-lhes um fato que ocorreu na década de 80 nos Estados Unidos, onde pais de crianças e adolescentes resolveram que as letras “ofensivas” deveriam ser censuradas:

Na metade dos anos 80, surgiu uma guerra contra o rock e o heavy metal, o pivô disso tudo foi uma organização chamada PMRC, formada por esposas de importantes políticos. Mulheres que decidiram se aproveitar do poder de seus maridos, para tentar corrigir algo que as incomodava.

A PMRC atribuía ao rock o aumento das taxas de estupro e suicídio, alegando que musicas de Ozzy Osbourne, Blue Oyster Cult e AC/DC tinham grande influencia sobre os jovens, e seus conteúdos faziam apologia a diversos delitos.

A primeira ação da PMRC foi mandar uma carta oficial à RIAA (Recording Industry Association of America), assinada por 20 esposas de influentes políticos e homens de negócio. A carta pedia para que a RIAA adotasse medidas para classificar os albuns(CD’s). Obviamente a RIAA resistiu ao pedido, então para pressiona-los, a PMRC foi a midia e publicou uma lista com seis exigências:

1 – Imprimir Letras nas capas dos álbuns.

2 – Manter capas explícitas em baixo das prateleiras.

3 – Estabelecer um sistema de classificação similar àquele dos filmes.

4 – Estabelecer um sistema de classificação para vídeos.

5 – Reavaliar o contrato de músicos que empregam violência e conteúdo sexual explícito nos palcos.

6 – Estabelecer uma vigilância da mídia por cidadãos e gravadoras, que pressionaria meios radiodifusores a não levar ao ar “talentos-questionáveis”.

Esses fatos levaram a remoção de musicas e de revistas de rock das lojas americanas.
Além disso, a PMRC criou e publicou uma lista chamada de “As Quinze Obscenas”, que contia quinze musicas consideradas as mais repreensíveis:

Diante de todos esses acontecimentos, o senado concordou em realizar uma audiência do então chamado “porn-rock”. Isto começou no dia 19 de Setembro, quando representantes da PMRC, três músicos, e os senadores Paula Hawkins e Al Gore testemunharam ante o Comitê do Senado sobre o assunto em questão.

De um lado estavam os senadores e suas esposas indignadas, e do outro 3 músicos, Frank Zappa, John Denver e Dee Snider (vocalista do Twisted Sisters). John Denver (musico que a PMRC acreditava que ficaria do lado deles) testemunhou contra a censura, dizendo ser “fortemente contra a censura de qualquer tipo em nossa sociedade ou em qualquer lugar do mundo”. Frank Zappa e Dee Snider defenderam suas músicas e criticaram fortemente a PMRC.

Segue aqui trecho do documentario Heavy Metal Journey, onde mostra Dee Snider falando sobre o assunto, e também cenas de seu testemunho contra a PMRC.

No final das contas, depois de toda a confusão formada pelo PMRC e dos músicos se defenderem, foi criado um adesivo, que vocês já devem ter visto muito em CD’s, chamado de “Tipper Sticker”. A RIAA aceitou colocar este adesivo escrito “Parental Advisory: Explicit Lyrics” nos álbuns que tivessem qualquer tipo de assunto explicito.

Um fato que comprova que toda censura é literalmente burra, é que o álbum “Jazz from Hell”, de Frank Zappa, mesmo sendo um álbum completamente instrumental, recebeu o adesivo.

Até hoje diversos músicos reclamam deste adesivo, pois alegam que ele limita a venda de seus discos, e faz propaganda contra.

Depois disso tudo basta você tirar suas conclusões sobre a censura. EU sou contra!

PS1: Peço desculpas pelo audio do video que esta extremamente baixo, e pelo tamanho que o Blogger o coloca, fazendo com que a legenda fique muito pequena, mas vale a pena o esforço de assisti-lo.

PS2: Peço desculpas por possiveis erros gramaticais, pois a equipe do Crazy Metal Mind foi desfalcada, e ninguem o corrigiu. Agradecimento especial para Huberto Kaiser Filho que me auxiliou com o video.

Let’s play PORN-ROCK!